Onde está o povo?


Praça de São Pedro - Vaticano
Será que todos estão na missa?

É instintivo. Toda vez que um turista se posiciona para fotografar uma paisagem, um monumento, ou uma edificação, ele espera o momento certo em que haja menos gente interferindo no tema. Mas os turistas não estão sozinhos, mesmo fotógrafos profissionais, contratados para produzir imagens para material promocional turístico fazem isto, ou então tentam captar um ângulo no qual as pessoas não apareçam.
Praia jamaicana
Uma bela praia jamaicana, sem banhistas, sem pescadores

Eliminar as pessoas da paisagem, mesmo os turistas que infestam certos espaços, está arraigado na maioria dos conceitos de turismo, mesmo aquele da OMT, que define a atividade como sendo o deslocamento ou a visita a um lugar diferente da residência habitual, e isto transmite-se aos próprios turistas. Tudo é planejado para visitar lugares, como se os lugares existissem por si só. Mesmo os ambientes naturais têm a sua existência relacionada aos povos de seu entorno, montanhas são sagradas, lagos têm lendas, florestas são encantadas, etc. Até as mais áridas e desérticas regiões têm os povos que tradicionalmente se relacionam com elas. Talvez, a única exceção seja o Polo Sul, ou quiça se descubra um dia que já lá houve povos que o visitavam.
Praça da Paz Celestial
2 bilhões de habitantes e ninguém aparece na foto

Não se consegue compreender totalmente um lugar se não conhecemos a sua gente, o seu povo. Como escreveu a poetisa sergipana Iara Vieira “não viajo lugares viajo pessoas”, são as pessoas as portadoras das historias,e a construtora da História do lugar, se eliminamos elas o que teremos serão lendas construídas para enganar turistas, ou paisagens artificiais, não lugares e sorrisos plásticos de modelos bem selecionados, talvez nem sejam do lugar, para ilustrar uma ou outra paisagem, quando se quer dar uma dimensão humana à foto, não à paisagem, e em um mundo pós-photoshop os modelos nem mesmo precisam estar lá.
Torre Eiffel
Mon Dieu! ninguém veio visitar a torre. Culpa das greves?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s